top of page

TEPT-C: 3 sintomas importantes

Atualizado: 25 de jul. de 2023

O TEPT Complexo é uma condição médica com sintomas distintos. Este artigo fornece uma visão geral de três sintomas principais, com base em diretrizes médicas e pesquisas de especialistas.


O Transtorno de Estresse Pós-Traumático Complexo (TEPT-C) é uma condição que afeta indivíduos que foram expostos a eventos traumáticos complexos e por tempo prolongado.


Caracterizado por uma gama diversificada de sintomas, o TEPT-C apresenta um conjunto específico de manifestações que são frequentemente observadas em pessoas que lidam com essa condição.


Os sintomas mais divulgados são dificuldades com os limites nas relações interpessoais e as dissociações , que podem impactar significativamente a vida e o bem-estar desses indivíduos.


Mas nem sempre estes são os sintomas mais aparentes e que portanto expressam a condição. Com base em teoria [1], estudos e na minha experiência clínica, aponto 3 sintomas que são vistos com frequência em pacientes que vivem o TEPT-C:


Desregulação emocional


O termo "desregulação emocional" é um conceito que se originou na área da psicologia, especialmente na prática da psicologia clínica e na psicoterapia. Ele se refere a um estado em que uma pessoa tem dificuldade em regular suas emoções de maneira adaptativa, resultando em respostas emocionais excessivas, intensas ou desproporcionais em relação aos estímulos ou situações enfrentadas.

Em algumas situações, certos estímulos podem provocar uma resposta emocional intensa e turbulenta em pessoas que sofrem de Transtorno de Estresse Pós-Traumático Complexo (TEPT-C).


Essa resposta emocional pode nos transportar para um lugar interno complexo e delicado em nossa psique, onde cenários variados, como dramas trágicos, utopias bizarros e terrores monstruosos, são recriados de acordo com a história de cada indivíduo.


Quando entramos em contato com esses lugares delicados dentro de nós, podemos reagir não ao que está ocorrendo na realidade externa, mas sim ao cenário interno que nos atormenta. Isso é o que chamamos de "desregulação emocional".


Uma metáfora esclarecedora pode ser utilizada para ilustrar esse fenômeno, como exemplificou um colega psiquiatra em relação a um paciente que relatava forte angústia, ansiedade e medo.


Apesar de levar uma vida tranquila, com emprego estável e sem grandes preocupações no momento, esse paciente havia vivenciado uma infância e adolescência marcadas por pais alcoólatras cruéis. O psiquiatra comparou essa situação a um filme de terror que ainda estava sendo projetado e revivido internamente pelo paciente.


De maneira figurativa, podemos considerar que cada indivíduo tem um "filme emocional interno", que pode ser comparado a diferentes tipos de filmes. Alguns podem experimentar um filme interno agradável e engraçado, semelhante às obras do cineasta Woody Allen, enquanto outros podem vivenciar um terror gore, como o filme "O Albergue".


Essa projeção interna pode ser tão intensa que mesmo em uma vida cotidiana tranquila, como frequentar encontros com amigos, ir à academia ou ter um bom relacionamento com o trabalho, o "filme interno", (ou o estado emocional e psíquico interno), ainda está sendo reproduzido em segundo plano, afetando emocionalmente o indivíduo.


No caso do TEPT-C, essa desregulação emocional pode levar a reações emocionais que se baseiam nas experiências traumáticas vividas anteriormente, em vez de responder de forma adequada à realidade externa imediata.



Vida interna negativa


O estado psíquico de indivíduos que vivenciam o Transtorno de Estresse Pós-Traumático Complexo (TEPT-C) é caracterizado por uma tonalidade emocional mais sombria.


Internamente, ocorrem representações mentais, aqui referidas como "filmes", que podem assumir características trágicas, amedrontadoras, macabras, repulsivas, melancólicas, entre outras.


O sujeito pode até manifestar qualidades externas, tais como ser amável, bem-humorado, generoso e demais traços positivos que definem sua personalidade, contudo, focalizamos aqui o clima emocional interno que, no contexto do TEPT-C, tende a ser inerentemente mais negativo.


A teórica de grande relevância no campo da psicanálise, Melanie Klein, foi pioneira no desenvolvimento da ideia dos objetos internos na década de 1940. Segundo sua teoria, introjetamos representações mentais da realidade, que são denominadas objetos internos.


De acordo com a história e as experiências emocionais de uma criança, assim como suas interações com os pais, ela pode internalizar objetos bons e/ou maus. Caso os objetos maus predominem, estejam em maior número ou sejam muito preponderantes, o mundo interno de um indivíduo pode tornar-se negativo e assim enviesar as suas vivências.


Vivências de Caos Interno e Externo


Indivíduos que vivenciam o TEPT-C frequentemente apresentam dificuldade de concentração, o que pode afetar seu desempenho acadêmico, laboral e social.


A história de um menino em idade escolar que atendi há muito tempo exemplifica essa dificuldade. Mesmo ele tendo interesse e curiosidade por temas científicos, ele se via incapaz de estudar em casa devido a uma sensação de tristeza que o impedia de se concentrar nos livros indicados pelo professor.


Essa angústia interna parecia obscurecer sua capacidade de foco, tornando a leitura uma tarefa quase impossível.


Além disso, outros aspectos contribuem para o caos emocional e comportamental em pessoas com TEPT-C, como a dificuldade em expressar sentimentos, estabelecer vínculos significativos com outras pessoas e experimentar relações interpessoais estáveis.


Essa vivência tumultuada reflete-se em uma sensação de desordem que parece permear diversos aspectos da vida do indivíduo.


Consequentemente, é comum observar uma variedade de estratégias de enfrentamento utilizadas na tentativa de equilibrar essa desordem interna. Essas estratégias podem variar desde mecanismos de enfrentamento menos destrutivos até comportamentos marcadamente destrutivos.


Por exemplo, algumas pessoas podem mergulhar intensamente no trabalho, enquanto outras podem recorrer ao abuso de álcool e drogas, bem como manifestar comportamentos violentos, entre outros.


Em resumo, a vida de uma pessoa com TEPT-C pode ser caracterizada por um cenário repleto de drama e adrenalina, onde a tentativa de lidar com o caos emocional interno e externo pode levar a diversas manifestações comportamentais e emocionais compulsivas.

O que é TEPT-C e quais sintomas mais frequentes?

TEPT-C (Transtorno de Estresse Pós-Traumático Complexo) é uma condição psiquiátrica que se desenvolve após exposição a eventos traumáticos prolongados e/ou repetidos. Os sintomas mais frequentes incluem flashbacks, pesadelos, hipervigilância, evitação de estímulos associados ao trauma e desregulação emocional. Veja todos os sintomas.

Como é uma pessoa com TEPT-C?

Uma pessoa com TEPT-C apresenta uma vida mental caracterizada por conteúdos internos de cunho sombrio, como cenários trágicos, amedrontadores e macabros. Esse estado emocional interno pode dificultar a concentração e a realização de tarefas, acompanhado de uma sensação persistente de angústia e desordem interna. Além disso, é comum observar dificuldades na comunicação de sentimentos, estabelecimento de laços interpessoais significativos e manutenção de uma vida social estável. Os mecanismos de enfrentamento podem variar, desde a imersão no trabalho até comportamentos autodestrutivos, como abuso de substâncias. A vida de um indivíduo com TEPT-C é marcada por constante drama e busca por adrenalina.


Qual a diferença entre TEPT-C e TEPT?


A diferença entre TEPT-C e TEPT reside principalmente na natureza do trauma vivenciado. Enquanto o TEPT está associado a eventos traumáticos isolados e pontuais, o TEPT-C está relacionado a experiências traumáticas complexas, de natureza prolongada e/ou repetitiva, que envolvem relações interpessoais abusivas ou adversas. Isso resulta em uma sintomatologia mais abrangente e complexa no TEPT-C.


Disclaimer

As informações fornecidas neste texto têm como objetivo apenas fins informativos e educacionais. Este conteúdo não se destina a substituir o aconselhamento médico ou psicológico profissional. Sempre consulte um profissional de saúde qualificado para obter diagnóstico, tratamento e aconselhamento adequados para qualquer condição médica ou psicológica. As opiniões expressas neste texto são exclusivamente do autor e não representam a opinião de qualquer instituição, organização ou empresa. O autor não se responsabiliza por quaisquer consequências resultantes do uso ou interpretação das informações contidas neste texto. O leitor é encorajado a verificar as fontes e buscar informações adicionais para tomar decisões informadas sobre sua saúde e bem-estar.


Fontes

[1] Medeiros, E. (2020). O trauma em Ferenczi e seus desdobramentos nas obras de Balint e Winnicott: regressões em análise e seu manejo clínico. Pepsic, Tempo psicanal. vol.52 no.1 Rio de Janeiro. Recuperado de [http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382020000100011].



46 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating

Psicóloga Bruna Lima

CRP 06/130409

Bruna Lima Psicóloga Clínica

Psicblima@gmail.com

+55 11 99411-3832

Bruna Lima é psicóloga clínica com mais de 5 estrelas no Google. Graduou-se em Psicologia pelo Centro Universitário FMU  e tem 10 anos de experiência em psicologia clínica.

Cadastrada E-psi, atende on-line a brasileiros expatriados há 10 anos.

Possui três especializações/certificações em psicanálise pelas instituições:

Bruna também é colunista no AllPopStuff e tem um canal no YouTube.

Com sua sólida formação, Bruna utiliza abordagens psicanalíticas personalizadas para ajudar cada paciente adulto.

Oferece atendimento online e presencial. Entre em contato para agendar.

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Instagram
psicologa-bruna-lima.JPG
bottom of page