top of page

Por que é DIFÍCIL FALAR sobre seus problemas na TERAPIA?

Atualizado: 4 de jun. de 2023


Às vezes, quando estamos na terapia há algum tempo (ou quando acabamos de chegar nela), podemos rodear em volta do nosso problema mas não falar sobre ele.


Em outros casos podemos nem conseguir nos expressar. Justo em uma sessão de terapia, o famoso lugar "onde se fala sobre problemas".


O fato é que quando rodeamos ou evitamos algum assunto, é por que ainda não conseguimos encarar este problema em específico de frente. E tudo bem. Às vezes não é fácil mesmo falar sobre determinadas questões, e ainda mais, íntimas.


Pessoa com dificuldade de falar na terapia, se sentindo bloqueada

Alguns sinais dessa evitação na consulta com um psicólogo:

  • Povoar sua sessão com cenários, situações e histórias que aparentemente não tem ligação com "o problema";

  • Ocupar boa parte da sessão falando sobre a história e vida de amigos, parentes, etc;

  • Nomear um problema, angústia ou questão secundária como algo urgente;

  • Simplesmente não falar nada, ou quase nada.

E se eu te disser que isso tudo faz parte do processo?


Pode ser frustrante ouvir esta opinião de uma psicóloga, mas o fato é que nosso mundo interno contém tudo o que nos pertence e a fantasia de ser "roubado" ou "vandalizado" pelo terapeuta pode existir. E assim, você se defende de uma forma inconsciente.

Há vários exemplos como de como isso pode acontecer: vir para a terapia com o objetivo de discutir a vida conjugal e só conseguir falar do trabalho; se queixar da organização da casa quando não se consegue pensar na falta que uma figura próxima lhe faz; contar sobre sua inacabável ira contra alguma pessoa e não olhar para sentimentos de tristeza sobre si mesmo, etc - ad infinitum. Cada vida e história é diferente.


Por que não consigo falar na terapia?


Esta evitação não acontece de um modo deliberado, ou de propósito, pois quem vai à psicoterapia está lá com o intuito de resolver o que incomoda. A não ser que tenha ido a pedido de um terceiro.


A evitação é simplesmente um mecanismo que o seu psiquismo usa para proteger-se de uma possível dor ou desconforto, assim como nossas terminações nervosas evitam a dor física.


O corpo nos afasta da sensação física indesejada, nosso inconsciente pode nos afastar de sentimentos, emoções ou lembranças indesejadas também.

A questão é que o "rodear" também é interpretado em uma sessão de terapia, de modo que o profissional irá compreender este comportamento como um aviso de que seu paciente ainda não está pronto para falar sobre o assunto em particular e isso deve ser respeitado.


Se o paciente não está pronto para falar, ele não está pronto, ponto final.

Nestes casos o terapeuta vai trabalhar outras questões com o paciente, possivelmente seu fortalecimento emocional. Todos os outros assuntos que vierem em substituição ao "principal" em uma sessão de terapia será conversado, compreendido e interpretado também.

Se você faz terapia há algum tempo e sente que que não está conseguindo tocar "naquele ponto", converse com seu terapeuta sobre isso. Talvez vocês construam uma solução ou você tenha um insight que irá te ajudar.



Hipótese 1: Um buraco negro supermassivo


Um buraco negro é uma região do espaço onde a gravidade é tão forte que nada, nem mesmo a luz, pode escapar. Isso torna os buracos negros uma poderosa metáfora para a certa coisa está impedindo que nos expressemos.


Um buraco negro super massivo é uma metáfora que diz sobre não saber o que está acontecendo com si  próprio

Existem muitas razões pelas quais podemos ser incapazes de nos expressar mas em se tratando de um buraco negro super massivo que suga tudo o que é seu de você mesmo, pode ser um cenário que precisa de atenção.


A metáfora do buraco negro diz de uma incapacidade de você mesmo entrar em contato com seus sentimentos, ansiedades, medos e pensamentos de modo que você nem sabe direito do que se trata, apenas sente um mal estar.



Parece até um enredo de filme sci-fi, mas é um algo bem real. Existem partes de você que são um mistério até para você mesmo.


Seja qual for o motivo, é possível encontrar maneiras de nos expressar. Isso pode ser feito através de pedido ao seu terapeuta promover um ambiente seguro para que você possa falar, escrevendo em um diário, escrevendo poesias ou músicas ou criando arte.


Se você está lutando com a incapacidade de se expressar, saiba que você não está sozinho. Muitas pessoas já passaram por isso e existem muitos recursos disponíveis para ajudar. Procure ajuda se precisar.



Hipótese 2: Rodeios preliminares


Se pararmos para pensar, é realmente difícil falar sobre nossas fragilidades, inseguranças, medos, falhas, etc. Ainda mais quando o som do nosso relato chega aos ouvidos que mais interessam: os nossos.


Um caubói lançando sua corda em direção ao buraco negro na tentativa de laçar algo que está dentro dele.

Em geral, é difícil nos depararmos com uma realidade inconveniente sobre nós mesmos, por isso podemos nos defender, até de forma inconsciente, conversando sobre outros assuntos, indo por outros caminhos.


Mas a questão é que na terapia, "todos os caminhos levam à Roma". No final, tudo o que falamos (ou o que não falamos) está ligado ao que nos trouxe à terapia.


Basta um psicólogo com boa escuta e sensibilidade para compreender o que é dito, o que não é dito e o seu ritmo em direção ao que realmente te incomoda.


Deste modo, se é difícil para você falar sobre o problema que te levou à terapia, não fique preocupado. Se concentre em seu bem estar nas sessões de terapia. Se tudo corre bem, o vínculo que você tem com sua psicóloga vai se aprofundando, você vai ficando mais seguro e tranquilo e a questão principal vai surgir naturalmente.


Sinta-se livre para papear!

A terapia é um dos lugares em que a gente aprende a ter uma relação autêntica com alguém. E construir essa relação leva algum tempo.


Assuntos para falar na terapia


O que você pode falar na terapia? Qualquer coisa. Seguem algumas sugestões para te dar uma idéia:


  • Sobre seu dia

  • Sobre a sua semana

  • Sobre a sua rotina

  • Sobre seus amigos

  • Sobre seus desafetos

  • Sobre os membros da sua família

  • Sobre seus pets

  • Sobre seus hobbies

  • Sobre suas músicas favoritas

  • Sobre seus livros favoritos

  • Sobre seus games favoritos

  • Sobre suas piadas favoritas

  • Sobre memes

  • Sobre notícias

  • Sobre programas de tv


Na terapia, nenhuma conversa é inútil.




O que eu falo em uma primeira sessão de terapia?


Como em qualquer interação social, você pode se apresentar. Se você conseguir, fale um pouco você. Se não conseguir, você pode dizer isso à sua psicóloga.


Existem outras formas de comunicação que chamamos de pré verbais. Aí estão inclusos os movimentos corporais, a brincadeira, a arte, os sons, etc.


Já houveram sessões em que eu sugeri ler um trecho de uma história ao meu paciente. Outra na qual ouvimos uma música da qual uma paciente gostava. Em outra fizemos um mapa dos pensamentos. E por aí vai.



Eu realmente não tenho o que falar na terapia


Se pergunte se o profissional ou a abordagem estão "dando liga" pra você. Geralmente quando isso acontece é por que não nos identificamos o suficiente com o nosso psicólogo.


Outra hipótese que eu coloco é a de que pode haver algum pré conceito com o "ir para terapia". Ainda existe muita gente que está prática é apenas para pessoas severamente comprometidas mentalmente, ou seja lá o que isso quer dizer.


Indo nesse cominho, poderia haver em você alguma vergonha sobre ocupar o "lugar de paciente".


Para te acalmar posso dizer: a normalidade é apenas uma vã fantasia.



Que perguntas que o psicólogo faz na primeira consulta

Algumas perguntas fazem parte de uma estrutura pré estabelecida que o psicólogo pode utilizar para uma primeira entrevista, isso se chama anamnese.


O psicólogo pode fazer perguntas específicas sobre a sua infância e vida atual. Mas não são todos os psicólogos que costumam se utilizar disso.


Há psicólogos que se permitem receber o que o paciente nos traz inicialmente.


Perguntamos sobre coisas pertinentes ao tema que estaremos discutindo. Então saber sobre o que um psicólogo pergunta pode não ser algo tão fácil.

Cada psicólogo tem um estilo e uma maneira de conduzir a sessão própria. O que pode ajudar é deixar o controle um pouquinho de lado e se entregar à experiência de ter uma pessoa escutando atentamente ao que você fala e te dar apoio.


O inesperado é algo que pode ser curativo, já que muitas vezes podemos nos perder em um looping infinito dos nossos pensamentos sem nenhuma ideia ou conceito novo.


O que falar para psicóloga na primeira consulta?


"Não sei o que falar para o psicólogo". É o que pode se passar na cabeça de alguém que vai para uma primeira sessão.


Bem lá dentro talvez você saiba o que dizer. Mas entendo que na primeira sessão ou nas primeiras sessões pode ser difícil. A experiencia de viver uma sessão de terapia pode ser um tanto assustadora quando existe um sentimento de desconfiança, vergonha ou auto crítica muito grande.


Talvez um primeiro movimento é encontrar um psicólogo ou psicóloga com quem você se sinta confortável. E um segundo seria se tranquilizar e falar do que é possível falar.


Não existe nenhuma regra sobre o que o paciente tem obrigação de falar ou se há uma experiência de coação, talvez você deva abrir seu leque e ir à procura de um outro profissional que ofereça um ambiente mais seguro.


O psicólogo é o profissional que está disposto a escutar tudo o que você tem à dizer.



238 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Psicóloga Bruna Lima

CRP 06/130409

Bruna Lima Psicóloga Clínica

Psicblima@gmail.com

+55 11 99411-3832

Bruna Lima é psicóloga clínica com mais de 5 estrelas no Google. Graduou-se em Psicologia pelo Centro Universitário FMU  e tem 10 anos de experiência em psicologia clínica.

Cadastrada E-psi, atende on-line a brasileiros expatriados há 10 anos.

Possui três especializações/certificações em psicanálise pelas instituições:

Bruna também é colunista no AllPopStuff e tem um canal no YouTube.

Com sua sólida formação, Bruna utiliza abordagens psicanalíticas personalizadas para ajudar cada paciente adulto.

Oferece atendimento online e presencial. Entre em contato para agendar.

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Instagram
psicologa-bruna-lima.JPG
bottom of page